Conheça as 4 funcionalidades
do Impostograma

Com o Impostograma você audita documentos fiscais, revisa o cadastro de impostos dos produtos, segrega simples nacional e consulta os impostos dos produtos. Tudo em uma só plataforma!

Captura automática de documentos

Revisar cadastro de Impostos de Produtos

Segregação Simples Nacional

Consulta Livre de Impostos

Captura automática de documentos

Revisar cadastro de Impostos de Produtos

Segregação Simples Nacional

Consulta Livre de Impostos

Auditoria de Documentos Fiscais Eletrônicos

O módulo de auditoria do Impostograma tem o objetivo de analisar e verificar se os documentos fiscais eletrônicos do contribuinte, NFE, Cupons Fiscais Eletrônicos – seja SAT/SP ou da NFC-e, foram emitidos com as informações tributárias do ICMS e classificação fiscal do produto corretamente. Assim, através da auditoria será possível conhecer os erros tributários e efetuar as correções necessárias para que seu cliente não fique sujeito à multas e autuações por erros ou sonegação involuntária, perdendo dinheiro também por estar pagando impostos indevidamente a maior do que deveria.

Esta análise pode ser aplicada não somente para as emissões próprias do seu cliente (documentos de saída), como também para os documentos emitidos para ele (documentos de compras ou entradas), sendo assim possível verificar se o fornecedor do seu cliente esta emitindo com os impostos e classificações corretamente, não induzindo assim a que seja tomado créditos de ICMS indevidos, ou então deixar de tomar créditos de seu direito, perdendo, com isso, dinheiro ou sofrendo autuações por parte do fisco.

O processo é simples e envolve 3 passos:

  • Compactar os XMLS que se deseja auditar e fazer o respectivo upload do mesmo para a plataforma do Impostograma;
  • Aguardar que o Impostograma faça seu trabalho;
  • Ao ser notificado da conclusão, acessar e consultar o Relatório Final da Auditoria.

Você também pode acompanhar diretamente na própria plataforma, a qualquer momento, o andamento do processamento tanto do upload, quando das etapas de análise. Como o Impostograma trabalha?

  • Ao chegar na plataforma, os XMLs serão automaticamente analisados.
  • A tecnologia do Impostograma, suportada por algoritmos e elementos de inteligência artifical que consideram mais de 27 milhões de possíveis cenários operacionais e regras tributarias para mais de 6,5 milhões de Produtos com seus GTINs e EANs, os algoritmos do Impostograma irão automaticamente identificar o cenário da operação:
    • Se é interna ou interestadual, e quais Estados ou Unidades da Federação então envolvidos;
    • Se a atividade do emitente e destinatário é indústria ou equiparada, Atacado, Varejo, Consumidor Final ou não contribuinte, pelo CNAE primário ou secundários registrado em seus respectivos CNPJs na receita;
    • Se estes são inscritos ou não no Simples Nacional;
    • Se o produto é ou não importado;
    • Qual é a classificação correta do NCM e se o mesmo possui ou não exceções na TIPI Federal;
    • Se o produto em uma eventual operação interestadual está coberto ou não por protocolos entre os Estados envolvidos;
    • A natureza da operação (se venda, bonificação, devolução, venda fora do estabelecimento, etc) e qual a finalidade da mesma (se para industrialização, revenda, uso e consumo, ativo imobilizado ou outras).

Com isso, os algoritmos do Impostograma irão determinar qual é a correta tributação do ICMS para cada item do XML no cenário que foi identificado, a correta classificação fiscal do mesmo, e então confrontar com o que esta destacado dentro do XML e gerar um relatório de não conformidades, contendo:

  • A estatística das divergências encontradas;
  • Identificação produto a produto, documento a documento onde foi encontrada a divergência;
  • Qual é a informação correta para cada informação errada;
  • Perdas de receitas tais como crédito de ICMS perdido porque o fornecedor emitente não destacou o ICMS devido;
  • ICMS pago indevidamente a maior;
  • Encarecimento da operação devido a cobranças de substituições tributárias indevidas;
  • O passivo tributário potencial encontrado no processamento, como valores de ICMS não destacados;
  • Valores de possíveis multas aplicáveis;
  • Também outras informações estatísticas referentes à:
    • Distribuição das operações;
    • Atividades dos participantes;
    • Estatísticas dos produtos por situação dos mesmos na auditoria;
    • Volume dos documentos processados.

Todas estas informações são disponibilizadas na web, podem ser exportadas em planilhas Excel, facilitando a elaboração de consultas e outras análises por parte da contabilidade. Através do módulo de revisão tributária, o cadastro do seu cliente pode ser corrigido para eliminar estes erros nas futuras emissões. Veja mais sobre o módulo de revisão tributária do Impostograma abaixo.

Segregação do Simples nacional

O módulo da Calculadora do Simples Nacional tem o objetivo de permitir analisar todos os Documentos Fiscais Eletronicos Emitidos pelo Contribuinte, tais como NFEs ou Cupons fiscais Eletroncios (SAT/SP ou Nota Fiscal Eletronica ao Consumidor), e segregar ou separar todas as vendas feitas sobre as quais o contribuinte NÂO PRECISA PAGAR a parcela referetne ao PIS/COFINS e ICMS que compõe o calculo dos imposto do simples nacional a ser recolhido na DAS.

Assim, diferentente do que é comum a base de calculo para PIS/COFINS e ICMS que será aplicada na tabela de aliquotas dos Anexo estará diminuida com a exclusão das vendas sobre as quais os impostos ja foram recolhidos anteriormente na cadeia ou sobre os quais não ha incidencia, fazendo com que o contribuinte pague um imposto a menor do que considerar o total das vendas excluindo-se as devoluçoes e cancelamentos apenas.

Esta análise é feita a partir da revisao tributária feita no cadastro do cliente.

Para efetuar o cálculo da segregação das vendas de um determinado mês de competência, o contribuinte deverá:

  • Compactar todos os XMLS da NFE que possuir desta competência, e efetuar o upload na respecitva funcionalidade existente na página da Revisão Tributária.
  • Compactar todos os XMLs dos cupons fiscais eletrônicos como SAT/SP ou Nota Fiscal Eletrônica ao consumidor, e também efetuar o upload na respectiva funcionalidade na página da Revisão Tributária.

Esta subida poode ser feita ao longo da competência do mês ( diariamente ou semanalmente ) ou uma única vez ao término do mês, conforme a melhor forma operacional desejada.
Ao ter os uploads concluídos com sucesso, a segregação estará disponível IMEDIATAMENTE.
Acesse a funcionalidade, selecione o contribuinte e a competência referente aos documentos que foram feitos o upload e clique em “calcular”.

O resultado será apresentado em 3 partes:

  • Parte 1 – PIS/COFINS
    • Mostrando, o total das vendas excluindo-se as devoluções e cancelamentos calculados nos XMLs que foram subidos, os valores referentes a tributação monofásica, isenção/redução e exigibilidade suspensa nos produtos que foram vendidos e sobre os quais não se incide o PIS/COFINS, e o valor da base de cálculo líquida para fins do cálculo da parcela do PIS/COFINS. Este é o valor correto da base.
  • Parte 2 – ICMS
    • Também mostra o total das vendas excluindo-se as devoluções e cancelamentos calculados nos XMLs que foram subidos, os valores referentes aos produtos sobre os quais há inseções tributárias, substituição tributária e exigibilidade suspensa que foram vendidos e sobre os quais não se incide o ICMS, e o valor da base de cálculo líquida para fins do cálculo da parcela do ICMS. Este é o valor correto da base.
    • Também é mostrado a relação de todos os produtos, sa chave do XML onde ele consta, e os valores dos da vendas e que foram segregados nos respectivos motivos, ficando também como uma “memória de cálculo” para subsidiar análises e ou eventuais fiscalizações.
  • Parte 3 – Falta Revisão
    • Aqui é mostrado todos os produtos vendidos encontrados e que como não possuem EAN ou não tiveram sua associação e revisão feita no módulo de revisão tributária, foram IGNORADOS e desconsiderados no cálculo da segregação do Simples Nacional. Ou seja, Não foi possível determinar se as vendas dos mesmos devem ser tiradas da base de cálculo do PIS/COFINS e/ou do ICMS, e portanto os mesmos representam que existe “potencialmente” pagamento de impostos a maior desnecessariamente.

Esta parte 3 deve sempre estar VAZIA, garantindo que todos os produtos foram analisados e nenhum produto que deva ter sua venda segregada da base de cálculo do PIS/COFINS e ICMS foi deixado para trás e desconsiderado. Veja o video de como é feita esta revisão dos produtos não EANs.

O Cálculo pode ser exportado em planilha excel para fins de arquivo, e suporte a contabilização, gestão e controle. Também é possível exportar o cadastro de produtos com a visão de segregação, tanto aqueles que devem ser considerados para exclusão, como aqueles que devem ser considerados para inclusão.

Lembrando que embora o cálculo dos impostos seja feito não considerando os valores de tributos destacados nos documento fiscais, as empresas do simples não estão desobrigadas de emitiresm corretamente os documentos fiscais sob pena de serem autuadas em uma fiscalilzação.

Para saber se os impostos estão sendo destacados corretamente nos documentos fiscais eletrônicos, use a funcionalidade de auditoria do impostograma para identificar divergências e não conformidades existentes nos documentos fiscais.

Revisão do Cadastro de Impostos de Produtos

O módulo da Revisão Tributária tem o objetivo de criar e manter todo o cadastro de produtos do contribuinte na plataforma do Impostograma, fornecendo automaticamente as informações tributárias referentes ao ICMS, IPI, PIS e COFINS, com o objetivo de permitir que o cliente faça a correta emissão dos documentos fiscais nas operações internas.

As informações tributárias que são fornecidas automaticamente e para qualquer data (presente, passado e futuro), levam em consideração a Atividade do contribuinte emitente (se indústria ou equiparada, comercio atacado ou comercio varejo), e se o mesmo é inscrito ou não no Simples Nacional.

Assim, o Impostograma entrega com precisão todas as informações tributárias necessárias para a correta utilização na emissão do documento fiscal eletrônico, tais como:

  • Informações do ICMS para emissões da NFE, bem como para emissão de cupons fiscais eletrônicos referentes à venda a consumidor;
  • Informações federais como o IPI e o PIS/COFINS tanto para regime tributário cumulativo ou não cumulativo.

Deste modo, o contribuinte pode efetuar os cálculos dos impostos com precisão, pagando efetivamente o que é devido; não pagando impostos errados e não ficando o contribuinte assim sujeito a multas e autuações por erros ou sonegação involuntária, podendo perder dinheiro por estar pagando impostos indevidamente.

Como é criado o cadastro do cliente contribuinte na plataforma Impostograma?

  • Compactando os XMLs emitidos pelo cliente seja da NFE, cupons fiscais eletrônicos como SAT/SP ou Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor e subindo para a plataforma;
  • Compactando o arquivo SPED ICMS e subindo-o para a plataforma;
  • Baixando uma planilha CSV template e preenchendo uma planilha em formato CSV/Excel, compactando-a e subindo-a também para a plataforma.

Em seguida o identificador de imposto que permitirá que ao consultar o cadastro, receba imediatamente a tributação correta para os produtos, podendo os mesmos serem consumidos e utilizados imediatamente.

Como o Impostograma associa ao produto do cliente esse identificador dos impostos? Esta associação ocorre da seguinte maneira:

  • Para os produtos que tem código de barra (o chamado EAN ou GTIN), a associação é automática a partir dos mais de 6,5 milhões de EANs existentes na coleção de produtos da plataforma do Impostograma, já classificados e revisados para os 27 Estados;
  • Caso o EAN não exista nesta coleção, uma solicitação automática na plataforma é direcionada para a equipe fiscal de retaguarda que imediatamente irá revisá-lo, classificando-o e adicionando-o a esta coleção e assim os impostos e informações tributárias ficam disponíveis;
  • Produtos do Impostograma, consultando-os pela descrição dos mesmos.

Por si só, possui na maioria das vezes exceções no âmbito federal, podem ter também no âmbito estadual, ora em um Estado da Federação, ora em outro.

As informações tributárias podem ser:

  • Consultadas diretamente na plataforma através dos filtros de pesquisa tais como:
    • Códigos EAN, descrição, NCM;
    • Por data de inclusão no cadastro;
    • Somente de produtos que tiveram alguma alteração no âmbito federal e/ou estadual;
    • Informações tributárias com vigência futura;
    • Extrair o cadastro para integração aos sistemas do contribuinte como seu ERP, sistema comercial ou de vendas para a correta emissão dos documentos fiscais eletrônicos, nos principais formatos comumente utilizados como XML, JSON, CSV e Excel.

Um processo eficiente e simples de se trabalhar no módulo de revisão do Impostograma poderia ser:

  • No cadastro do contribuinte, deixe configurado o dia do mês, o formato e a lista de e-mails do contribuinte para os quais o Impostograma enviará automaticamente a revisão de impostos;
  • Após o dia 20 de cada mês, faça o upload do PVA ou dos XMLs dos documentos fiscais eletrônicos emitidos por ele;
  • O cliente faça a atualização dos impostos em seus sistemas.

Para saber se os impostos fornecidos e enviados estão sendo efetivamente utilizados pelo contribuinte, use a funcionalidade de auditoria do Impostograma para identificar divergências e não conformidades existentes nos documentos fiscais.

Acessando os tributos para indústria, comércio atacado e comércio varejo, nas visões de entrada para fins de escrituração ou de saída para fins de emissão de documentos fiscais eletrônicos.

Consulta livre de Impostos de Produtos

O módulo da Calculadora do Simples Nacional tem o objetivo de permitir analisar todos os Documentos Fiscais Eletrônicos emitidos pelo contribuinte, tais como NFEs ou Cupons fiscais eletrônicos (SAT/SP ou Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor) e, segregar ou separar todas as vendas feitas sobre as quais o contribuinte não precisa pagar a parcela referente ao PIS/COFINS e ICMS que compõe o cálculo dos impostos do Simples Nacional a ser recolhido na DAS.

Assim, diferentemente do que é comum a base de cálculo para PIS/COFINS e ICMS que será aplicada na tabela de alíquotas dos anexos estará diminuída com a exclusão das vendas sobre as quais os impostos já foram recolhidos anteriormente na cadeia ou sobre os quais não há incidência, fazendo com que o contribuinte pague um imposto a menor do que considerar o total das vendas, excluindo-se as devoluções e cancelamentos apenas.

Esta análise é feita a partir da revisão tributária feita no cadastro do cliente. Para saber mais sobre a revisão tributária, suba ao frame da revisão tributária. Para efetuar o cálculo da segregação das vendas de um determinado mês de competência, o contribuinte deverá:

  • Compactar todos os XMLs da nota fiscal eletrônica que possuir desta competência e efetuar o upload na respectiva funcionalidade existente na página da segregação.
  • Compactar todos os XMLs dos cupons fiscais eletrônicos como SAT/SP ou Nota Fiscal Eletrônica ao Consumidor e também efetuar o upload na respectiva funcionalidade na página da Segregação

Esta subida pode ser feita ao longo da competência do mês (diariamente ou semanalmente) ou uma única vez ao término do mês, conforme a melhor forma operacional desejada. Ao ter os uploads concluídos com sucesso, a segregação estará disponível imediatamente. Acesse a funcionalidade, selecione o contribuinte e a competência referente aos documentos que foram feitos o upload e clique em ‘calcular’. O resultado será apresentado em três partes:

  1. PIS/COFINS

Mostrando o total das vendas, excluindo-se as devoluções e cancelamentos calculados nos XMLs que foram subidos, os valores referentes à Tributação Monofásica, Isenção/Redução e Exigibilidade Suspensa nos produtos que foram vendidos e sobre os quais não se incide o PIS/COFINS e o valor da Base de Cálculo Líquida para fins do cálculo da parcela do PIS/COFINS. Este é o valor correto da Base. Também é mostrada a relação de todos os produtos e respectivos valores dos mesmos encontrados nos XMLs de vendas que foram segregados nos respectivos motivos, ficando uma ‘memória de cálculo’ para subsidiar análises e/ou eventuais fiscalizações se necessário.

  1. ICMS

Também mostra o total das vendas excluindo-se as devoluções e cancelamentos calculados nos XMLs que foram subidos, os valores referentes aos produtos sobre os quais não há isenção tributária e exigibilidade suspensa que foram vendidos sobre os quais não se incide o ICMS e o valor da base de cálculo líquida para fins do cálculo da parcela do ICMS. Este é o valor correto da base. É mostrada, também, a relação de todos os produtos da chave do XML onde ele consta e os valores das vendas que foram segregados nos respectivos motivos, ficando também como uma ‘memória de cálculo’ para subsidiar análises ou eventuais fiscalizações.

  1. Revisão

Aqui são mostrados os produtos vendidos encontrados e que como não possuem EAN ou não tiveram sua associação e revisão feita no Módulo de Revisão Tributária e foram ignorados e desconsiderados no cálculo da segregação do Simples Nacional. Ou seja, não foi possível determinar se as vendas dos mesmos devem ser tiradas da base de cálculo do PIS/COFINS e/ou do ICMS e, portanto, os mesmos representam que existe ‘potencialmente’ pagamento de impostos a maior desnecessariamente. Esta parte 3 deve sempre estar vazia, garantindo que todos os produtos foram analisados e nenhum produto que deva ter sua venda segregada da base de cálculo do PIS/COFINS e ICMS foi deixado para trás e desconsiderado. O cálculo pode ser exportado em planilha excel para fins de arquivo e suporte à contabilização, gestão e controle. Também é possível exportar o cadastro de produtos com a visão de segregação. Tanto aqueles que devem ser considerados para exclusão como aqueles que devem ser considerados para inclusão. Lembrando que, embora o cálculo dos impostos seja feito não considerando os valores de tributos destacados nos documentos fiscais, as empresas do simples não estão desobrigadas de emitirem corretamente os documentos fiscais sob pena de serem autuadas em uma fiscalização.

Para saber se os impostos estão sendo destacados corretamente nos documentos fiscais eletrônicos, use a funcionalidade de Auditoria do Impostograma para identificar divergências e não conformidades existentes nos documentos fiscais. Veja a apresentação desta funcionalidade acima.

Podemos te ajudar?